E-mail

contato@radarmt.com

WhatsApp

(66) 99986.5406

GOV MT - TOPO - 728 X 90 - MAIS MT
Tropical - TOPO
MATERNIDADE

Santa Casa Rondonópolis é escolhida para participar de pesquisa da Fiocruz

No Brasil, a chance de dar à luz sem intervenções durante o trabalho de parto é remota. Apenas 5% das mulheres tiveram essa experiência, segundo a pesquisa Nascer no Brasil, feita em anos anteriores e coordenada pela Fiocruz.

12/04/2021 07h45
Por: Redação
Fonte: Assessoria
Foto: Assessoria
Foto: Assessoria

A Maternidade da Santa Casa Rondonópolis foi escolhida, pela Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz, para compor a amostra da pesquisa “Nascer no Brasil I”, que tem como objetivo principal avaliar a assistência ao pré-natal, às perdas fetais precoces, o parto e o nascimento no Brasil. Com isso, o hospital deve ajudar na melhoria da qualidade do atendimento a mulher e a criança. O anúncio e a assinatura do termo de consentimento aconteceram na manhã desta sexta-feira (9), durante a visita da pesquisadora da Fiocruz, Renata Cristina Beltrame, ao hospital.

No Brasil, a chance de dar à luz sem intervenções durante o trabalho de parto é remota. Apenas 5% das mulheres tiveram essa experiência, segundo a pesquisa Nascer no Brasil, feita em anos anteriores e coordenada pela Fiocruz. Muitos procedimentos passaram a ser usados de forma rotineira, causando mais traumas do que benefícios.

Entre os métodos utilizados para a pesquisa, estão as entrevistas individuais com os responsáveis pela Obstetrícia, Neonatologia, Epidemiologia e Farmácia. O formulário aborda a disponibilidade de recursos humanos, equipamentos e insumos, além da organização do processo de trabalho na assistência ao parto e ao nascimento.

O benefício em participar da pesquisa, é o de ajudar a promover a melhoria da atenção à saúde materno-infantil no Brasil. “A ideia é que os resultados deste levantamento, com representatividade regional, forneçam informações relevantes para a elaboração de políticas públicas nacionais e locais, visando assegurar a ampliação do acesso a serviços de saúde reprodutiva, a menor ocorrência de gestação indesejada, a redução da morbimortalidade materna associada às perdas fetais precoces e a maior satisfação de pacientes e profissionais da saúde.”, explicou o Dr. Sinésio Alvarenga, vice-presidente da Santa Casa Rondonópolis.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.