E-mail

contato@radarmt.com

WhatsApp

(66) 99986.5406

CAMARA MUNICIPAL - COVID - JULHO
MAIS TROPICAL - 728 X 90
Tropical - TOPO
Paraná

Governo estuda adoção de modelo híbrido permanente de trabalho para servidores

Projeto vem sendo conduzido pela Casa Civil e pela Secretaria da Administração e da Previdência. A opção deve ser por um modelo que mescle o ambien...

23/06/2021 16h25
Por: Redação
Fonte: Secom Paraná

Adotado pelo Governo do Estado durante a pandemia da Covid-19, o teletrabalho trouxe resultados expressivos em economia e produtividade. Ferramentas online como o eProtocolo e o Sistema de Gestão de Materiais e Serviços (GMS) deram agilidade ao trabalho dos servidores e permitiram a realização de tarefas de forma remota e segura.

O prazo médio para o término de um processo licitatório, por exemplo, caiu quase 50% com a introdução da tecnologia digital. Também houve redução significativa de custos. Só com deslocamento, o governoeconomizou R$ 47,3 milhões, entre manutenção e abastecimento de veículos e viagens oficiais.

Com os resultados e a experiência obtida, o governo estadual iniciou estudos para avaliar a viabilidade da adoção do teletrabalho no pós-pandemia. O projeto está sendo desenvolvido em conjunto pela Casa Civil e a Secretaria da Administração e da Previdência.

“Adotamos o teletrabalho numa emergência e para funcionar tivemos que acelerar projetos e adaptar a forma de gestão para permitir a execução eficiente do trabalho de forma remota. Os resultados mostraram que esta é uma alternativa viável, que pode ser uma opção em algumas atividades do governo”, explica o chefe da Casa Civil, Guto Silva.

A opção mais viável, adianta Silva, deve ser por um modelo híbrido, que mescle o ambiente remoto e o físico, considerando atividades que não necessitem da presença permanente do servidor no local.

Equipes da Seap e da Casa Civil analisam as melhores possibilidades e como os servidores que estiveram e ainda estão trabalhando de casa lidam com esse modelo. Dos cerca de 140 mil servidores ativos, 75% chegaram a exercer suas funções em teletrabalho. Atualmente, 5.097 pessoas continuam atuando de forma virtual.

“Isso é o que está sendo discutido no momento, como fazer essa transição, a adaptação dos servidores e as mudanças necessárias para a implantação de um modelo híbrido no Estado”, informa o secretário da Administração e da Previdência, Marcel Micheletto.

EXPERIÊNCIASNa terça-feira (22), numa teleconferência com Silva, Micheletto e equipes das duas áreas do governo, gestores de RH de grandes empresas que optaram pelo regime híbrido de teletrabalho de forma permanente contaram suas experiências.

Todos destacaram o potencial oferecido pelo trabalho remoto para aumentar a produtividade, reduzir custos da organização e beneficiar os funcionários, que deixam de perder tempo com locomoção e podem desfrutar de um período maior com a família.

Para que dê certo, no entanto, alertaram para a necessidade de manter a comunicação e o relacionamento entre as pessoas nesse novo ambiente. E também de adaptar a forma de gestão, que deve ser baseada na confiança. Assim, o rígido controle de horário perde força e ganha destaque o monitoramento da eficiência, o resultado final do trabalho, por exemplo.

“É uma mudança não apenas de gestão, mas cultural”, define Guto Silva. “É preciso manter a comunicação entre as equipes, porque delas resultam ideias, inovações; fortalecer a comunicação interna no processo de transição; colocar as pessoas em primeiro lugar, garantindo que o modelo seja bom para todos, e ter a segurança tecnológica necessária para a execução do trabalho”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.